Praia Branca no Guarujá: talentos de respeito e altas ondas (clássico)

Altíssima qualidade nas ondas pesadas, requer preparo e tem atletas de ponta n'água.

Dudu Motta por @valcleilemos  
 

O pico é um verdadeiro refúgio natural e fica há uma pouco mais de 100km da capital paulista. Como no local não há acesso por carros e  grandes comércios, é possível se desconectar e vivenciar o clima rústico e colaborativo das vilas caiçaras existentes por lá. Para hospedagem há pousadas e campings com excelente estrutura. 


O acesso a Praia Branca é por uma trilha, para chegar é necessário pegar a Rodovia do Imigrantes, pegar a saída pela Cônego  Domênico Rangoni e seguir até o Guarujá em direção a Bertioga até chegar na Balsa, onde é possível estacionar o carro em um dos estacionamentos do local e seguir a trilha de cerca de 20 minutos, garantindo o verdadeiro refúgio.

As condições para ondas de alta qualidade do pico são: ondulação de sudeste ou leste, vento do quadrante oeste. Geralmente, a melhor época de ondas é em outono e primavera a constância é alta e o crowd está presente devido ao reconhecimento da qualidade das ondas. As ondas quebram de 2-10 pés e o destaque fica por conta da vala do canto direito que funciona em condições clássicas quando o swell e ventos acertam. O swell perfeito por lá é com ventos na direção sudeste, então fique ligado no swell!  

Esse oásis natural, também conhecido como "prainha" pelos locais é um dos melhores picos para surf no Guarujá. A Praia Branca é conhecida por suas ondas fortes e tubulares, frequentemente chegando bombar com qualidade internacional, como mostram as fotos do Eduardo Motta, atleta DHD e morador do pico.  
 
Eduardo Motta, surfista profissional, morador do local e que surfa por lá desde que nasceu!  

Sylvio Zampol, shaper DHD  e shaper do atleta, orienta que as pranchas mais indicadas para o pico devem ser pranchas para ondas rápidas, com bico e rabetas mais estreitas, como  squash, round squash e e round pin que se adaptam para ondas mais cavadas.

O shaper compartilha que para Motta treinar no pico, ele utiliza algumas estratégias. 

"Para o Dudu, que é um atleta de ponta, botamos no pé dele pranchas para performance como DNA, 3DV da DHD que foram desenvolvidas para os ondas da Gold Cost, são super rápidas para ondas da região, com bico e rabeta mais estreitas e se adaptam muito bem naquela praia. Como o quintal da casa dele tem a característica de ter buraco, formando tubos e com ondas mais rápidas, essas pranchas se adequam muito bem".

E explica que mesmo em algumas ocasiões, quando o mar está pequeno, o modelo Double Shot produzido em EPS Core, ainda permite um treino em dias menores.

No Brasil, é possível adquirir os modelos DNA3DV e Double Shot pela Zampol SurfBoards, representante da marca no país. Zampol ainda explica que os modelos Zampol como Z1Day After e Magic Mix são excelentes para esse tipo de onda.
 
 
O shaper relembra com saudosismo da praia branca na década de 80 e diz "chegava muito cedo por lá e como era distante, principalmente naquela época a praia estava vazia, era muito gratificante. Muitas vezes você pega a maré seca e dá para pegar muito tubo, excelente para quem curte esse tipo de onda né?"

O surf clássico está à sua espera!

Faça como os tops Caio IbelliDudu MottaMatt Wilkinson e Mick Fanning, entre muitos outros, para ter o equipamento certo no pé, entre com contato a Zampol e fale diretamente com o shaper responsável pela produção das DHD no Brasil desde 1999.

Encomende aqui sua prancha mágica!